Base comum vai trazer “equidade e qualidade” ao ensino

O texto da Base Nacional Comum Curricular foi aprovado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) na última sexta-feira (15). Segundo análise do ministro da Educação, Mendonça Filho, as diretrizes que o documento apresenta vão conferir mais “equidade e qualidade” ao ensino nas escolas brasileiras.

“Com a BNCC, o Brasil se alinha aos melhores e mais qualificados sistemas educacionais do mundo, que já se organizam em torno de uma base comum”, afirmou.

O texto passará, em seguida, por uma revisão técnica e análise jurídica para ser, então, homologado pelo ministro da Educação. “Vamos entregar aos brasileiros um texto plural e contemporâneo”, garantiu Mendonça Filho.

Os currículos das escolas devem começar a se adaptar ao estabelecido na base a partir do próximo ano, para que a implementação ocorra entre 2019 e 2020.

O que é a base?

A elaboração da base levou em conta as dimensões continentais do Brasil, que geram uma grande diversidade do panorama educacional.

O documento estabelece quais são os conhecimentos, competências e habilidades que os alunos da educação básica em todo o território nacional devem e têm o direito de desenvolver na escola.

A base vai orientar, para as escolas privadas e públicas de todo o País, a elaboração dos currículos, propostas pedagógicas e material didático, a formação dos professores e as avaliações acadêmicas.

Para a secretária executiva do MEC, Maria Helena Guimarães de Castro, a base vai aproximar a realidade dos estudantes dos sistemas público e privado de diferentes regiões.

“A base é um avanço histórico para a educação brasileira e certamente vai contribuir para reduzir as desigualdades educacionais e promover a qualidade das aprendizagens”, avaliou.

Fonte: Brasil.gov